terça-feira, 4 de outubro de 2016

vontade...

Vontade...
Caminhava,
entre lobos famintos,
nada temia
não havia obstáculos
tudo era claro
como a luz do dia,
mas não era coragem
que possuia,
chamava-se vontade,
sua arma mortal.
Sem rumo e sem direção,
aliou-se à vida,
era para ela
que escrevia seus versos
e tocava sua flauta
levando suas notas
até as montanhas mais altas.
Partiu, carregando a leveza
de uma alma vazia daquilo
que nada acrescentava.
by/erotildes vittoria  29 de setembro de 2014