sábado, 29 de janeiro de 2011

Eros idade° toda letra é-rara

Auto imagem
seu reflexo é infinito
e ecoa pela salas
da minha memória,
em imagens paralisantes
que tocam a irís
e vibram em minha cabeça.

Amor proprio:
as palavras escondem os sentidos das coisas...
a poesia a desnuda,
desvela de diversas formas 
seus multiplos sentidos...

A palavra, oculta a essência natural
das coisas, como o Véu de Ísis.

Como reter  a eternidade em um instante 
e  ver o universo em um grão de áreia,
como descrever a consciência como exercício do ato de ser...
localizar a fonte da vida em um ponto qualquer,
abrir o peito a natureza morta,
trazer a vida ao coração
em anima mundo.
 
Diante do Caos
emudecí em mim mesmo
em sonoro silêncio,
caminhando pelo deserto de minha alma,
sentí que era bom estar só
 
ouví "meos sons" 
ví sonhos inodoros,
meus mais íntimos (     )  pesadelos
desaguavam

Saborear a vida é um ato solitário,
compartilhar a vida um ato de coragem,
E celebrar seu delírico,
pode ser um ponto de convergência
que nos conecta,
ao Diverso do Universo.

Paradoxo ou contradição,
sei lá...
diante do mundo,
sou ninguém.
Mas reafirmo a vida
como um fenómeno
indivisável.
Heberle Babetto
"eterno retorno ou um novo recomeço?"




"O espaço não está mais preso a limites determinados pelo formato"
}Aldo B.{