quarta-feira, 8 de junho de 2011

homem Nú


Nasci nú 
e morrerei pelado.
Que posso eu contra a eternidade,
contra a minha humanidade.
até posso, se me tornar uma besta...

 o muro que construí, 
era alto, sólido, escuro,
tijolo por tijolo,
assim cresceu,
 assim se desfez,
se dissolveu em ilusões perdidas e insanas,
agora minha alma canta,
 meu espírito exulta
 e voce esta aqui.
ao AmoR me entrego, sem demora...
Heberle Babetto

a fumaça é sólido no ar