quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Delitos

 

transcreve no meu corpo 
o teu desejo

olha -me e destabiliza
o que resta de são em mim

lembra-me de te deixar
a porta aberta para que:
na minha cama me procures
me leves á loucura

quero dos teus lábios
saborear as palavras mais doces
jamais entendidas
doce melodia para meus ouvidos

Diz-me só por hoje
o quanto me desejas
e que jamais mulher alguma
cometeu contigo tamanho delito
delito de
amar,
de sugar,
de provocar… com o olhar
o som orgásmico das ondas do mar

leva-me e faz-me alcançar
o sofrego gemido que tarda a sair de mim
bailado de corpos suados
exaustos de tanto amar
transcreve no meu corpo o teu desejo…

Ângel Magalhães